Leo Ar
Ser Universitario
 

Professor Explica Livros de Literatura/ FUVEST

21/11/2016 - 13:05h

<a href="/professor">Professor</a> Explica Livros de Literatura/ <a href="/vestibular">Fuvest</a>?

Lista de livros de literatura - Fuvest

1. Memórias póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis

Em Memórias póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis constrói uma narrativa marcada pela não linearidade, pela digressão e pela interpelação ao leitor. Com ela, o autor transgredia o modelo realista tradicional adotado na segunda metade do século XIX. Na obra, chama a atenção também o desvelamento irônico de questões ligadas ao país e às eternas contradições humanas.

2. Iracema, José de Alencar

Embalado pelos ventos da Independência, Iracema, de José de Alencar, é uma obra que captura muito bem o entusiasmo patriótico do Romantismo, construído principalmente por meio da elevação da figura do índio à posição de herói nacional e por meio da exploração de elementos de nossa fauna e flora. 

3. O cortiço, Aluísio Azevedo

O cortiço, de Aluísio Azevedo, é considerado a principal obra naturalista da literatura brasileira. Muito influenciada pela onda cientificista do século XIX, a obra é impregnada pelo pensamento determinista da época, enxergando o indivíduo como um reflexo de seu meio, de sua raça ede seu tempo.

4. A cidade e as serras, Eça de Queirós

Posicionada no Realismo português, A cidade e as serras, de Eça de Queirós, repagina a antiga oposição vida na cidade versus vida no campo. Além disso, acompanha as mudanças ocorridas em Portugal rumo à modernidade do século XX. 

5. Capitães da areia, Jorge Amado   

Capitães da areia pertence à fase dos romances urbanos de Jorge Amado, que tinham como pano de fundo a cidade de Salvador. Na obra, é contada a história de um grupo de meninos de rua, os “capitães da areia” a que o título se refere. Produzida no contexto da segunda fase do modernismo brasileiro –  momento marcado por um grande engajamento social –, a narrativa não só expõe a posição de extrema marginalidade que esses jovens ocupavam na sociedade, mas também seus desejos, sonhos e aspirações.

6. Vidas secas, Graciliano Ramos

Vidas secas, de Graciliano Ramos, é considerada uma das principais obras do chamado “romance de 30” brasileiro. Nela, a saga do sertanejo Fabiano e de sua família é contada por meio de uma linguagem tão árida e escassa quanto a própria vida de seus personagens. Posicionada no contexto da segunda fase modernista, período marcado por uma acentuada preocupação social, a obra traz à tona o modo como um determinado contexto socioeconômico influencia a vida do homem nele inserido.

7. Claro enigma, Carlos Drummond de Andrade

A ousada escolha pela obra Claro Enigma, do poeta modernista Carlos Drummond de Andrade, privilegia um Drummond comumente pouco explorado nas escolas. Nela, é possível enxergar uma faceta sóbria e hermética do autor, que se distancia da temática social presente em livros mais conhecidos, como Sentimento do mundo e  A rosa do povo.

8. Sagarana, Guimarães Rosa

Primeiro livro publicado por Guimarães Rosa, Sagarana é uma antologia que reúne nove contos do autor. Nela, já é possível observar características que se tornariam marca registrada de Rosa: uma  grande inventividade linguística e a utilização do sertão mineiro como um palco no qual são encenadas e debatidas grandes questões da humanidade.

9. Mayombe, Pepetela

Escrita pelo angolano Pepetela, Mayombe é fruto da experiência vivida pelo próprio autor na guerra pela libertação de Angola, ocorrida na década de 70. Utilizando diferentes focos narrativos, a obra ajuda a recompor o dia a dia dos guerrilheiros do Movimento Popular de Libertação de Angola, que lutaram conta as tropas portuguesas.

 


Fonte: Descomplica



Mais notícias
Veja todas as noticias