Leo Ar
Ser Universitario
 

4 sugestões para estudantes estrangeiros de pós nos Estados Unidos

15/09/2016 - 18:52h

4 sugestões para estudantes estrangeiros de pós nos Estados Unidos

A decisão de cursar uma pós-graduação - seja mestrado, doutorado ou PhD - já é por si só uma tarefa desafiadora. E torna-se ainda mais assustadora se a ideia for estudar em outro país, com uma cultura acadêmica totalmente diferente. Para começar, é preciso ter a consciência de que muitos desafios precisarão ser superados ao longo deste caminho. A ansiedade é um sentimento muito comum neste processo, assim como a dúvida de como algumas situações específicas devem ser enfrentadas e quais decisões devem ser tomadas. É evidente que escolher, por exemplo, a melhor forma de comunicar-se com seu Professor ou supervisor é ainda mais difícil quando não se tem referência alguma a respeito das especificidades da cultura acadêmica do país ou da instituição. Contudo, algumas condutas podem ajudar a minimizar esses percalços. Gostaria de compartilhar quatro sugestões básicas, com base em minha experiência pessoal, que poderão ser muito úteis para o sucesso do seu período de Estudos No Exterior.

1.Comunique-se diretamente com seus professores, mentores ou com o pesquisador principal

Em alguns países, culturalmente, é considerado um desrespeito tomar o tempo do mentor ou até mesmo propor uma reunião. Porém, quando se decide estudar em outro país é preciso mudar esse paradigma. Não hesite em aproximar-se dos professores, mentores ou do pesquisador principal. Na minha jornada pessoal, também aprendi a ser firme na comunicação com essas pessoas. Inicialmente, ficava insegura se meu supervisor não respondesse rapidamente aos meus e-mails. Mas, depois de algum tempo, eu percebi que eles são pessoas extremamente ocupadas. Nunca leve para o lado pessoal caso não receba o retorno imediato.

Se você acha que está sobrecarregado, pense novamente. Muitos Professores e pesquisadores principais fazem malabarismo com seu tempo, dividindo-se entre escrever pedidos de bolsas; redigir ou supervisionar papers que estão sendo escritos; gerenciar pesquisas e direcioná-las para subvenções existentes; supervisionar seus laboratórios; ministrar aulas; executar as responsabilidades inerentes ao seu departamento; e ainda transitar entre os grupos políticos (que existem em toda universidade). Portanto, aquele e-mail enviado a ele na sexta-feira à tarde, ainda estará, na segunda-feira, no final de uma pilha de mensagens e não é difícil imaginar que a resposta, por sua vez, levará alguns dias. Uma forma de contornar esse problema, poupar tempo e evitar ansiedade é checar se seu professor sentir-se-ia confortável em recebê-lo por alguns minutos em seu escritório para algumas perguntas rápidas ou críticas. Isso foi o que eu fiz, funcionou e, inclusive, ajudou a estreitar o relacionamento com meu supervisor. Aprender a gerenciar a comunicação é uma habilidade que ajuda em qualquer situação. Esteja, portanto, certo de que assimilou essa lição.

2.Sempre peça ajuda

Mais uma vez sob a perspectiva cultural, pedir ajuda é também algo extremamente desconfortável para um estudante estrangeiro e está diretamente atrelado a admitir uma falha ou o desconhecimento de algo que supostamente deveria ser de seu domínio. Quando entrei pela primeira vez em um laboratório, resisti muito em pedir ajuda sobre como usar as ferramentas estatísticas, com as quais até então eu nunca havia tido contato. Considerava isso a maior dificuldade de todos os tempos. Mas, quando eu finalmente deixei de ser resistente nesse sentido, aprendi que ninguém espera que você comece uma atividade, seja ela qual for, sabendo exatamente como tudo funciona. Foi então que minha pesquisadora chefe apontou que existe uma curva de aprendizado normal e colocou à disposição um cientista sênior para me apoiar. Essa atitude me ensinou não só que aprender é parte do processo, mas também que quando se pede ajuda está subentendido que você já tem as habilidades necessárias para concluir a tarefa que lhe foi atribuída. Sim, é desconfortável dizer que não sabe. Mas, nesse caso, é preciso fazer as pazes com o desconforto e perguntar! Por exemplo, se não tem certeza do que está sendo solicitado, peça por um modelo. Ou melhor, fale com outra pessoa do laboratório que anteriormente tenha realizado essa tarefa, ela lhe dará algumas dicas. Uma vez que você explique educadamente que se trata de algo novo, toda a ajuda que precisa lhe será oferecida. Saiba que muitos professores têm um profundo cuidado com seus alunos e querem promover um ambiente que realmente viabilize o aprendizado. Buscar ajuda necessária explicita sua vontade de aprender.

3. Aproxime-se de outras pessoas e participe de atividades de lazer

Certifique-se de que você esteja em contato constante com outros estudantes internacionais. Explore comitês de diversidade, grupos de defesa e assine newsletters do departamento. Na minha universidade, por exemplo, existem grupos que conectam os estudantes de pós-graduação que estão em minoria, assim como serviços exclusivos para alunos de outros países, diversos clubes e eventos do campus, todos criados para integrar e celebrar a diversidade cultural. Tudo isso dá mais sabor à vida fora do laboratório. Também é igualmente importante expandir os horizontes, desenvolvendo novos interesses e hobbies. Participar de uma liga esportiva ou de um grupo é uma maneira divertida de fazer novas amizades e conhecer pessoas afins. Cursar um pós-doutorado muitas vezes pode abalar o bem-estar mental, por isso, é crucial ter uma vida social e ativa fora do laboratório.

4.Faça novos contatos dentro da sua área de atuação

Em uma pós-graduação, as aulas, o trabalho no laboratório e os eventos acadêmicos não são as únicas atividades necessárias . Desde o início é preciso olhar à sua volta e perceber o que pode ser adequado a você. Muitos estudantes cometem o erro de procurar trabalhos no último momento. Inscrever-se em feiras ou eventos de apresentação de oportunidades de trabalho, dentro da universidade, pode ser conveniente até mesmo se você não estiver efetivamente à procura de uma posição que exija titulação. Encontre as bolsas de estudo disponíveis em sua área: muitas agências federais e estaduais aceitam estagiários em seus projetos, assim como as entidades sem fins lucrativos admitem voluntários. Algumas oportunidades são a porta de entrada e permitem expandir sua rede de contatos e construir um currículo que tenha aplicabilidade na vida real. Outra opção para desenvolver uma rede de contatos em sua carreira é participar de sociedades profissionais, identificar associações locais e regionais para relacionar-se de forma ativa e inscrever-se em eventos abertos para estudantes. Esse tipo de atividade pode ser a chance de você enxergar onde gostaria de estar quando concluir os estudos.

Claro que na minha experiência pessoal enfrentei muitos desafios, mas eles me fizeram perceber que eu não estava sozinha. Centenas de estudantes como eu estavam no mesmo barco e sobrevivendo em novos ambientes acadêmicos. Lembre-se que você está ingressando em uma cultura acadêmica diferente da sua, por isso, esteja disposto a compreender uma perspectiva diferente e, acima de tudo, preparado para vivenciar novas experiências.

* A Doutora Nirupama Shridhar nasceu na Índia e é atualmente pesquisadora de saúde pública americana, professora na universidade Seattle Central Community College e colaboradora convidada do Editage Insights, portal de educação responsável por sediar webinários e workshops para pesquisadores e estudantes.

Sobre a Editage

Criada em abril de 2002 com o objetivo de acelerar a comunicação científica global, a Editage é uma divisão da Cactus Communications. Seus serviços e programas educacionais já apoiaram mais de 140 mil autores em 154 países no processo de publicação em periódicos de alta qualidade. Dispõe de uma das maiores equipes de editores trabalhando em tempo integral, mais de 1400 editores com inglês como língua nativa e experts em publicação em mais de 1200 áreas do conhecimento, responsáveis pela tradução e revisão de mais 560 mil artigos. A Editage prioriza a alta qualidade de serviços e é parceira de renomadas editoras do mercado da publicação.

A Editage, em comparação com as empresas de seu segmento em todo o mundo, tem o maior número de editores certificados pela BELS (Board of Editors in the Life Sciences) e CMPP (Certified Medical Publication Professional), além disso, conta com Sistemas certificados pelo ISO/IEC 27001:2013, que garante a segurança dos manuscritos. Por meio do Editage Insights, portal de educação, promove consistentes webinários e workshops, pelos quais já passaram mais de sete mil autores. Membro de organizações como o Committee on Publication Ethics (COPE), defende as práticas de publicação ética.

A Editage tem escritórios nos Estados Unidos, Índia, Japão, China, Singapura e Coreia do Sul e representantes locais no Brasil, em Taiwan e na Turquia.
Por Doutora Nirupama Shridhar

 


Fonte: epr.com.br



Mais notícias
Veja todas as noticias